sábado, 20 de junho de 2020

Diretoria do Instituto Ambiental Reluz (2020-2023)


O INSTITUTO AMBIENTAL RELUZ é uma instituição não governamental e  sem fins lucrativos que tem como objetivos promover e estimular os valores humanistas, a preservação da biodiversidade e o desenvolvimento sustentável por meio da educação ambiental, da pesquisa científica e de ações e vivências socioambientais. O INSTITUTO AMBIENTAL RELUZ possui sede na cidade de Marechal Floriano /ES, na Reserva Natural Reluz, RPPN que está localizada na ES 470, Estrada Reserva Natural Reluz, s/n, Distrito de Boa Esperança, Município de Marechal Floriano/ES.


O Instituto Ambiental Reluz é formado por profissionais de variadas áreas do saber humano, amigos(as) comprometidos com as causas culturais e ambientais, que se reuniram para desenvolverem ações de cuidar pelo meio ambiente, especialmente por meio da educação ambiental.
Conheça um pouco sobre os membros da diretoria do Instituto Ambiental Reluz:

Presidente: Renata O. Bomfim

Mestre e doutora em letras pela Universidade Federal do Espírito Santo. Arteterapeuta com larga experiência em saúde mental, professora universitária, escritora e ativista ambiental. É gestora e proprietária da Reserva Natural Reluz, RPPN localizada em Marechal Floriano. Presidente da Academia Feminina Espírito-santense de Letras, ocupando a cadeira de nº 16; Membro efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do ES e Diretora técnica da Associação Capixaba do Patrimônio Natural (ACPN). Representou o Brasil em Festivais de poesia no exterior e presidiu a 6ª Feira Literária Capixaba, em maio de 2019. Possui artigos e ensaios publicados, é autora dos livros de poemas Mina (2010); Arcano dezenove (2012), Colóquio das árvores (2015) e O Coração da Medusa (no prelo) e da Revista literária Letra e fel, (www.letraefel.comon line desde 2007. Presidiu a 6ª Feira Literária Capixaba (6ª Flic-ES) em maio de 2019, na UFES. 

Vice-Presidente: Ester Abreu Vieira de Oliveira 








Professora e escritora, possui graduação em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Espírito Santo - Vitória (1960), Especialização em Filologia Espanhola - Madri (1968) Mestrado em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - Curitiba (1983), Doutorado em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994) e Pós-Doutorado em Filologia Espanhola: Teatro Contemporâneo- UNED - Madri (2003). Atualmente é aposentada e Professora Efetiva - (Voluntaria) e Emérita da Universidade Federal do Espírito Santo - UFES- CCHN- DLL-PPG Mestrado e Doutorado em Estudos Literários. Foi professora e diretora de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPEPG) do Centro de Ensino Superior de Vitória. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, com estudos sobre a poesia, o teatro e a narrativa das literaturas hispânicas e literatura brasileira. É presidente da Academia Espírito-santense de Letras e vice-presidente da  Academia Feminina Espírito-santense de Letras, membro efetivo do Instituto Histórico, Geográfico do Espírito Santo, Associação Brasileira de Hispanista, Asociación Internacional de Hispanista, à AITENSO. Coordenou eventos e publicações de obras e participa de conselhos editoriais no Brasil e no exterior. Desenvolve trabalhos no campo da escrita infantil com temas ambientais. 

Diretor secretário: Francisco Aurélio Ribeiro


Possui mais de 30 anos de experiência na área de Ensino e Pesquisa. Esta significativa experiência docente provém de sua atuação como professor em diversas Instituições de Ensino, públicas e privadas, com âmbito de atuação no Ensino Fundamental, Médio e Superior (Graduação e Pós-Graduação). Responsável pela orientação de teses de mestrado na área de letras da universidade Federal do Espírito Santo UFES. Participa também de diversas bancas de Defesa de Dissertação. Desenvolveu diversos trabalhos de pesquisa na área de literatura, possuindo mais de 40 livros publicados (gêneros infantil, crônica, conto e pesquisa) e vários artigos de sua autoria, participando com suas crônicas de colunas semanais no jornal A Gazeta. Foi Secretário de Cultura da UFES no período de 1992 a 1995, sendo responsável também pela coordenação de cursos em nível de Especialização e Pós-Graduação. Conduziu vários congressos como conferencista e apresentador de comunicação no Brasil e Exterior. Participou ora como examinador, ora como elaborador de provas de literatura em diversos concursos públicos e vestibulares em vários estados brasileiros. Pertence ao Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo e à Academia Espírito-santense de Letras, da qual foi presidente em três mandatos. Escreve livros infantis com temáticas ambientais e desenvolve um trabalho de preservação ambiental e de cuidado animal em Domingos Martins/ES. 

Diretor Financeiro: Luiz Alberto Carvalho Bittencourt



Atleta, escultor e criador e gestor da Reserva Natural Reluz e da RPPN Reluz, em Marechal Floriano/ES. Autor do site Mundo das corridas, que há mais dez anos incentiva as pessoas a dotarem uma vida mais saudável e sustentável. Criador do Trote ecológico na RPPN Reluz. 

Conselheira: Karina de Rezende Fohringer

Doutora em Letras (com ênfase em Estudos Literários - UFES. Mestre em Letras (com ênfase em Estudos Literários.  Pós-graduada (Especialização) em Teoria Psicanalítica e Práticas Educacionais (UNIG- 2007), graduada em Letras (UFES- 1991) e em Direito (UVV- 1991). Coordenou o Curso de Letras da Faculdade Saberes (ES), tendo também atuado como professora nessa mesma instituição. Trabalhou como professora da Prefeitura Municipal de Vitória, de 1994 a 2011. Em dezembro de 2008, foi empossada membro titular da cadeira nº 8 da Academia Feminina Espírito-Santense de Letras (AFESL). Membro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo (IHGES). Professora convidada dos Cursos de Especialização Lato Sensu em: Linguagens: língua e literatura (Faculdade Saberes) e Educação (FABRA).  Desde 2017, atua como Professora de Português na Universidade de Viena (Zentrum für Translationswissenschaft) e no Landesschulrat für Niederösterreich em St. Pölten e em Mödling na Áustria.

Conselheira: Simone Patrocínio de Almeida


Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Universidade Vila Velha (UVV). Pós-graduada em MBA em Gestão de Empresas de Mídia (UVV). Mestre em História pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Profissional com ampla experiência em design gráfico, projetos gráficos de revistas, livros e informativos institucionais. Consultora na área de comunicação organizacional da empresa Pinturas Ypiranga Ltda. Diretora de Conteúdo do portal Panela Audiovisual. Experiência na área de Comunicação organizacional, com ênfase em Comunicação Institucional, atuando principalmente nas seguintes áreas: comunicação estratégica, design gráfico, cultura, jornalismo, e gerenciamento de redes sociais.

Conselheiro: João Luiz Castello Lopes Ribeiro

Advogado, engenheiro e escritor ex-presidente da Academia de Letras da Serra e membro efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do ES. 

sexta-feira, 19 de junho de 2020

Caminhos da educação ambiental (Reserva Natural Reluz)

Educação ambiental





Nossa história no campo da 
Educação Ambiental


A nossa história com a educação socioambiental começou de fato em 2008, com um convite para mediar um grupo de policiais militares capixabas no Mosteiro Zen Budista Morro da Vargem, em Ibiraçu/ES, trabalho  realizado em parceria com o IEMA e o ESESP. 
Eu já cheguei no Mosteiro Zen vegetariana, reciclando o lixo e defendendo os animais e as árvores, então, a identificação foi imediata e teve início, assim, uma parceria de trabalho que estendeu entre os anos de 2008 e 2014.  

A nossa formação profissional transdisciplinar e direcionada para a mediação de grupos sociais e entre as experiências vivenciadas alegra-se  ter participado da estruturação de variados serviços de saúde mental no Espírito Santo, entre eles o CAPS- Ilha de Santa Maria, primeiro CAPS do ES; do primeiro Ambulatório de Saúde Mental para crianças e adolescentes no Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (HUCAM), em 2003. Posteriormente, como membro da diretoria do Programa CDSM, agora no  Campus Goiabeiras, estruturamos  o Centro de Atenção Continuada à Infância e Adolescência (CACIA). Trabalhando no CACIA tivemos a oportunidade de tomar contato com outros públicos nas oficinas, especialmente a partir de um convênio estabelecido com o Hospital infantil. Acolhemos nas oficinas terapêuticas crianças e adolescentes com distúrbios alimentares e outras que haviam tentado o suicídio. 

Em 2000, tive a graça de estagiar no Museu de Imagens do Inconsciente[1], foi enquanto fazia a pós-graduação em Arteterapia na Saúde e na Educação na Faculdade Cândido Mendes, no Rio de Janeiro. Essa foi uma oportunidade para me aprofundar na obra da Dra. Nise da Silveira, essa pesquisa se complementou com a próxima pós-graduação, essa em Psicologia Analítica Junguina, pela Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo (FACIS). Especializei-me, também, em Psicossomática, pela mesma faculdade, em 2006. Foram tempos de entrega à pesquisa no campo da saúde mental.

Em 2009 defendi a dissertação intitulada Vozes femininas: a polifonia arquetípica na obra de Florbela Espanca. O desejo de pesquisar o universo arquetípico feminino instigou novas buscas e, em 2010 ingressei no doutorado de Letras da UFES, agora pesquisando a relação comparatista entre a obra de Florbela Espanca e Rubén Darío, poeta nicaraguense considerado “pai das letras castelhanas” e “Cisne da América”. 

Em 2014 defendi a tese intitulada A Flor e o Cisne: diálogos poéticos entre Florbela Espanca e Rubén Darío. As pesquisas de doutorado demandaram um mergulho na literatura Iberoamericana e me deram a oportunidade de viajar para a Nicarágua, Portugal e Espanha, mapeando textos manuscritos, cartas, informações que resultaram num trabalho que teve a inserção de quarenta cartas inéditas. Um percurso de conhecimento e de autoconhecimento que abarca, também, uma produção como escritora e pesquisadora, história rica e estimulante que pode ser acompanhada no site letra e fel,  (www.letraefel.com). 

Volto ao ano de 2008, quando recebi o convite para realizar a vivência com policiais no Mosteiro Zen Budista Morro da Vargem. Nessa época já integrara à minha práxis as expressões plásticas e literárias. 
O Mosteiro Zen Budista é um Polo de educação ambiental reconhecido pela UNESCO como um Posto Avançado da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. No Mosteiro desenvolvi projetos e programas socioambientais e de qualidade de vida para diferentes grupos, especialmente dentro dos Programas[2] ZENZINHOCOMPAZ: a ética policial e a vivência socioambiental e ZEN MANAGEMENT. Essas experiências me mostraram que o tratamento da saúde mental pressupõe mais que a ausência de doenças, antes é um conceito que se relaciona com qualidade de vida emocional e cognitiva, e que o tratamento deve ir além dos consultórios.  A depressão, a ansiedade, a angústia e os transtornos psicossomáticos podem se tornar um dizer direcionados à saúde.

Em 2014 recebi o convite do Governo do Estado do ES para desenvolver um plano de atividades lúdicas terapêuticas para dezesseis comunidades terapêuticas (CTs). Ingressei na equipe do Projeto Terapêutico e Social do Centro de Acolhimento para Pessoas com Dependência Química, mais conhecido como “Rede Abraço”. Por meio desse trabalho pude conhecer os direcionamentos para o tratamento dados pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Droga (SENAD) e a trabalhar com esse novo público, pessoas em situação de extrema vulnerabilidade. Passei a desenvolver um programa de atividades lúdica terapêuticas voltado para as Comunidades terapêuticas (CTs) credenciadas pelo Governo. Esse trabalho abarcou o treinamento das equipes das CTs, a estruturação e orientação de ações e projetos culturais, artísticos e educacionais para os acolhidos e a realização de variadas oficinas terapêuticas e de geração de renda. 
Em janeiro de 2015 já colhíamos alguns frutos desses trabalhos, especialmente como as “RODAS DE LEITURA REFLEXIVA” e com as bibliotecas estruturadas em algumas CTs. Esse percurso, nada linear, continuou e em 2016 ingressei na UFES como professora de literatura, ministrando, entre outras matérias, LITERATURA DO ESPÍRITO SANTO E LITERATURA DE AUTORIA FEMININA EM LÍNGUA PORTUGUESA (PORTUGAL- BRASIL E ANGOLA).

 Hoje dedico-me a projetos de educação ambiental na Reserva Particular do Patrimônio Natural Reluz (RPPN Reluz), de minha propriedade, situada em Marechal Floriano e presto atendimentos no me espaço terapêutico particular, localizado em Vitória, onde também desenvolvo cursos, oficinas terapêuticas e grupos de estudos. 

Na RPPN Reluz realizamos retiros e vivências, amparados por uma prática pedagógica que tem como aporte a teoria da mudança social, como propôs Paulo Freire mediamos ações que elevam o nível de percepção crítica dos indivíduos, buscando com que esses se reconheçam como essenciais em toda e qualquer ação que promova uma melhoria na sua vida e contribua para a melhoria da sociedade. Partimos do pressuposto de que é possível diminuirmos os impactos ambientais causados pelo mau uso dos recursos naturais e construirmos espaços de referência que mantenham uma relação equilibrada com o meio ambiente. 
As ações de educação ambiental que realizamos parte da sensibilização das pessoas para o meio ambiente a partir do reconhecimento de si como parte do mesmo.  Reconhecer-se como elemento importante no processo de mudança social é essencial para professores, alunos e sociedade como um todo, pois, torna possível ao indivíduo cumprir um papel dinamizador e integrador das ações socioambientais a partir da participação efetiva nas pautas de interesse comum.

"O NOSSO DESAFIO É EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE" 
Renata Bomfim

Oficina terapêutica no programa Compaz

 Oficina terapêutica no programa Compaz
 Oficina terapêutica no programa Compaz
 Oficina terapêutica no programa Compaz
 Exposição dos pacientes do CAPS-Ilha
 Oficinas Terapêuticas para policias militares ambientais
Acolhido fraquentando biblioteca criada em CTs




[1] Dessa experiência nasceu o GRUPO DE ESTUDOS NISE DA SILVEIRA, um interprojeto do CDSM que funcionava na minha casa acolhendo alunos de psicologia, artes e outros cursos da UFES, entre dezenas de felinos, para a leitura e discursão da obra da Dr.ª Nise e de Jung.
[2] O Zenzinho atende crianças da rede pública capixaba, sensibilizando os jovens para a importância das boas práticas para uma vida sustentável. No Zen Management trabalhava com gestores de empresas públicas e privadas e profissionais liberais e o COMPAZ, sob a forma de educação continuada, trabalhei com policiais militares e militares ambientais do Estado do Espírito Santo.

RPPN Capixaba comemora o Dia Nacional das RPPNs juntamente com a comunidade do seu entorno e órgãos ambientais

A RPPN Reluz, no Espírito Santo, realiza encontro 

para comemorar o Dia Nacional das RPPNs (31/01/2020)


RPPN Reluz firma parceria com a AME-ES e inaugura o Meliponário Reluz no Dia nacional das RPPNs/ 2020



Diretoria da Associação de Melipolicultores do ES:  Presidente de Honra Adailton Gonçalves Pinheiro, Presidente João Luiz Teixeira Santos, Tesoureira Adriana Pessotti Bastos e gestores da RPPN Reluz Renata Bomfim e Luiz Bittencourt.

Nossa amizade com a Associação de Meliponicultores do ES, a AME-ES, já é antiga, foi com essa turma animada que passamos a conhecer melhor as abelhas nativas brasileiras e o quanto é urgente ações de preservação para que elas não desapareçam, a exemplo da Uruçu capixaba que ainda correr risco de extinção. No dia 31 de janeiro de 2020, Dia Nacional das RPPNs, essa amizade ganhou contorno institucional e a RPPN Reluz e a AME-ES firmaram um termo de parceria e inauguraram o Meliponário Reluz., destinado a educação ambiental.

Foi uma manhã muito agradável e produtiva. Tivemos a alegria de ter na inauguração representantes da Secretaria Municipal de Meio ambiente de Marechal Floriano, do Vereador de Marechal Floriano Ubaldino Saraiva, juntamente com o com o técnico do INCAPER Cesar Krohling; do fotógrafo e observador de aves membro do AMOAVES e do COA João Andrade, do Superintendente do IBAMA Diego Libardi e dos analistas ambientais do IBAMA Décio Luiz C. Motta e Rosângela Laia, do Secretário interino de Meio Ambiente do Estado do Estado Elber Dos Reis Tech e os nossos vizinhos.

Agradecemos muito a AME-ES por apoiar os projetos da Reluz, e estamos certos que essa parceria renderá bons frutos. 


A RPPN Reluz concedeu o título de Amigos da RPPN Reluz a pessoas e instituições que são apoiadoras dos projetos da Reluz.

 Nosso agradecimento a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Marechal Floriano, nas pessoas do Secretário Sérgio Stein e dos biólogos Átila Domingues e Anderson Ferreira.
Prestamos uma homenagem aos nossos vizinhos, o Sr. Dalton e Dona Elza, que são os moradores mais antigos da região.

Nosso agradecimento ao Secretário interino de Meio Ambiente do Estados do ES Elber Reis Tech, extensivo ao Secretário de meio ambiente Fabrício machado.

Homenageamos o amigo e apoiador da RPPN Reluz Ubaldino Saraiva, vereador em Marechal Floriano e extensionista do INCAPER.

Nosso agradecimento ao mais novo parceiro de trabalho da RPPN Reluz, a Associação de Melipolicultores do ES (AME-ES). Na imagem Adailton Gonçalves Pinheiro, Presidente de honra, João Luiz Teixeira Santos, Presidente e Adriana Pessotti, tesoureira da AME-ES.

Homenageamos o amigo fotógrafo e observador de pássaros João Andrade, que acompanha e colabora com os trabalhos da RPPN Reluz desde a sua criação.

Nosso agradecimento a todos!

Soltura de pássaros silvestres na RPPN Reluz celebra o Dia Nacional das RPPNs


Um momento muito emocionante da celebração do Dia Nacional das RPPNs 2020, na RPPN Reluz, foi o da soltura de pássaros apreendidos, pelo IBAMA, essa ação reforça o nosso esforço para a construção do Viveiro de Reabilitação e Soltura de pássaros silvestres na Reserva Natural Reluz, um sonho antigo que está prestes a se tornar realidade. 

Não sabíamos que o IBAMA traria pássaros para a soltura, foi uma surpresa que demonstra a sensibilidade dessa gestão em apoiar as iniciativas da sociedade civil organizada. Obrigada ao Superintendente do IBAMA Diego Libardi e aos analistas ambientais Décio Motta e Rosângela Laia. 

RPPN Reluz celebra, junto a autoridades e comunidade do entorno, o Dia Nacional das RPPNs




O dia 31 de janeiro é muito significativo para todos os RPPNistas. Foi por isso que, mesmo após alguns estragos deixados pela chuva, decidimos manter a ideia de fazer a celebração. Embora o tempo para organizar o encontro tenha sido bastante curto, pois a estrada estava interditada e não pudemos passar alguns dias antes,  tudo deu certo e realizamos esse sonho de fazer um 31/01 aqui na Reserva Reluz.

Esse ano dedicamos uma atenção especial à comunidade do entorno, convidamos os vizinhos para um delicioso café e bate papo sobre preservação ambiental. Contamos, para realizar tal tarefa, com a presença de um time de peso que atendeu ao nosso chamado. 

Estiveram presentes representantes da Secretaria Municipal de Meio ambiente, de Marechal Floriano, agradecemos as presenças dos biólogos Anderson V. Ferreira e Átila C. Domingues, extensivo ao Secretário Municipal de Meio Ambiente de Marechal Sérgio Stein; a Diretoria da Associação de Melipolicultores do ES, nas pessoas do seu presidente João Luiz Teixeira Santos, do Presidente de Honra Adailton Gonçalves Pinheiro e da Tesoureira Adriana Pessotti Bastos; Do Vereador de Marechal Floriano Ubaldino Saraiva, juntamente com o com o técnico do INCAPER Cesar Krohling; do fotógrafo e observador de aves membro do AMOAVES e do COA João Andrade, a quem agradecemos o registro do evento, do Superintendente do IBAMA Diego Libardi e dos analistas ambientais do IBAMA Décio Luiz C. Motta e Rosângela Laia, extensivo ao analista ambiental Josiano, grande apoiador do Reluz e do Secretário interino de Meio Ambiente do Estado do ES Elber Dos Reis Tech, extensivo ao Secretário Estadual de Meio Ambiente Fabrício Machado. Nosso agradecimento especial para os nossos vizinhos que compareceram, e o Sr. Dalton que recebeu a homenagem representando os moradores do entorno.

Foi um dia no qual pudemos compartilhar a nossa alegria pelas conquistas, muitas delas fruto de anos de trabalho voluntário, e renovar as forças para continuar lutando pelo meio ambiente e pelas RPPNs. 

Dedicamos essa edição do aniversário das RPPNs às abelhas sem ferrão e nesse dia foi inaugurado o Meliponário Reluz. Recebemos como presente uma caixa de abelhas jatai, da AMES e, na ocasião,assinamos um termo de parceria com a Associação de Meliponicultores do ES, unindo forças na preservação das abelhas nativas brasileiras.

Outro momento emocionante foi o da soltura de pássaros, pelo IBAMA, essa ação reforça o nosso esforço para a construção do Viveiro de Reabilitação e Soltura de pássaros silvestres na Reserva natural Reluz, um sonho antigo que está prestes a se tornar realidade. Não sabíamos que o IBAMA traria pássaros para a soltura, foi uma surpresa que demonstra a sensibilidade dessa gestão em apoiar as iniciativas da sociedade civil organizada. 

Nesse encontro sentimos nossos vínculos estreitados e foram discutidos ideias e projetos para Marechal Floriano, inclusive uma parceria entre o IBAMA, INCAPER e Câmara Municipal de Marechal Floriano para o manejo de cobras na região, tendo em vista o alto índice de matança que vem ocorrendo. 

Registramos o nosso agradecimento a todos esses parceiros e amigos, aos nossos vizinhos e felicitamos a todos os RPPNistas Capixabas e do Brasil por esse dia que nos conecta numa mesma energia e batida do coração.

terça-feira, 2 de junho de 2020

A RPPN Reluz realiza plantio de mudas na semana do Meio Ambiente/ 2020


Entrada da RPPN Reluz em 2007 e em 2020. 
Entrada da RPPN Reluz hoje, com as novas mudas.

Há treze anos, desde que foi adquirida, algumas área da Reserva Natural Reluz, que não estavam cobertas com mata, passaram por variados momentos. A beleza dos pinus, que já estavam plantados no terreno, dava a área um ar de aconchego. Mas, com passar dos anos, fomos reflorestando  e substituindo essas áreas de pinus por árvores da mata atlântica e frutífera para os animais. 

Em janeiro de 2020, uma forte chuva, seguida pela subida do Braço Sul do Rio Jucu, fez cair muitas árvores e gerou um grande transtorno para nós, visto que toda manutenção fica ao nosso encargo, deu bastante trabalho e algum custo organizar tudo, limpar a estradas e as passagens, e decidimos que o próximo passo seria substituir os ciprestes que ficavam na subida da Reserva por árvores frutíferas, reforçando a alimentação para os pássaros e demais animais da floresta que passam por ali para chegarem ao rio Jucu. 

Escolhemos a SEMANA DO MEIO AMBIENTE para realizar essa ação e estamos muito felizes com o resultado final. 


O trabalho começou com a retirada das árvores antigas da subida, foram cerca de trinta ciprestes, já secos por conta da falta de sol.  Depois, veio a abertura das covas, adubação e plantio. Aproveitamos também para plantar alguns pés de pau-brasil encostado na mata. 
Os pinus não foram retirados de uma vez só, pois, os macacos os utilizam para chegar ao rio, servem como um corredor entre a mata e o Braço Sul do Rio Jucu. Essa substituição vem sendo feita gradativamente, na medida em que as outras árvores plantadas, e muitas nascidas naturalmente, vão crescendo, para não causar impacto na vida desses animais. 



Nosso amigo Miro e sua equipe nos ajudou 
 retirando as toras acumuladas.



A Reluz é um espaço de educação ambiental, de vivência do amor pela natureza, uma RPPN  que se norteia pelos princípios feminista, descolonial e vegetariano. Em tempos de pandemia e quando o desmatamento cresce na ordem dos 30%, nós resistimos e seguimos plantamos árvores. Estamos muito felizes com as parcerias com o IBAMA e a PRF que vem se construindo no decorrer do último ano, e pelo poder público reconhecer a importância do trabalho das RPPNs na proteção ambiental. 

Destaco o trabalho incansável do Luiz, marido e companheiro de luta, minha luz, sem ele esse trabalho não seria o que é e o verde, para mim, não teria o mesmo tom. 

Acreditamos que um mundo melhor e sustentável é possível sim, e a cada dia mais pessoas tem se reunido nessa profissão de amor que é cuidar do meio ambiente.

segunda-feira, 1 de junho de 2020

A Reserva Natural Reluz participa da Semana do Meio Ambiente promovida pelo IBAMA (de 01 a 05 de junho de 2020)




Dia 1: Meio Ambiente e Saúde 



Dia 3: Meio Ambiente e Educação Ambiental para crianças


A SEMANA NACIONAL DOMEIO AMBIENTE objetiva alertar as pessoas para a importância do meio ambiente, para que cada cidadão se transforme em agente ativo de proteção ao planeta.

Essa semana deriva da comemoração do dia 05 de junho, DIA INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE, data estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1972, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, 
Mediante os tempos que vivenciamos, de pandemias e desmatamentos, nunca foi tão emergente falarmos sobre o meio ambiente. 

quinta-feira, 12 de março de 2020

Parceria entre a Reserva Natural Reluz e PRF-ES alerta motoristas para a questão do atropelamento de animais silvestres nas rodovias

O Projeto Reluz na Estrada, da RPPN Reluz, mais uma vez, reuniu-se ao projeto Cinema Rodoviário, da PRF-ES , para uma campanha educativa alusiva ao Dia Internacional da Mulher.
Segue reportagem postada no site da PRF.



PRF realiza fiscalização com comando formado por mulheres na Serra/ES


Durante a fiscalização, foi priorizada a abordagem em veículos conduzidos por mulheres.

Em homenagem ao dia Internacional da Mulher, a Polícia Rodoviária Federal no Estado do Espírito Santo (PRF/ES), realizou na manhã desta quinta-feira (12), comando de fiscalização formado por policiais femininas.
As policiais reuniram-se em frente a Unidade Operacional da Serra/ES, no Km 251 da BR 101, para realizar um comando de fiscalização onde priorizou abordagem a veículos conduzidos por mulheres.
Durante a ação, foram consultados veículos, condutoras e ocupantes, sendo repassadas orientações de Educação para o Trânsito por meio de palestras e vídeos que buscam conscientizar as condutoras para uma direção segura e para as consequências das infrações mais cometidas como: ultrapassagem proibida, excesso de velocidade, uso do celular ao volante, falta da cadeirinha, calçado inadequado, falta do uso do cinto de segurança, entre outros.
O comando de educação para o trânsito, contou com a participação da representante da Reserva Natural Reluz, Renata Bomfim, que orientou os participantes sobre o cuidado com os animais que transitam pelas rodovias: “Com o respeito as leis de trânsito e aos limites de velocidade é possível salvar os animais que passam nas rodovias evitando também que ocorra acidentes mais graves.” Afirmou Renata.
Ao final das orientações, as condutoras participantes receberam de lembrança livros escritos por autores capixabas, doados pela Academia Feminina Espírito-Santense de Letras (AFESL).